Campanha Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica no Amapá

A videoconferência reuniu diversas autoridades locais e especialistas | Reprodução

A videoconferência reuniu diversas autoridades locais e especialistas.

A Campanha Sinal Vermelho, foi lançada no Brasil em 10 em de junho de 2020, uma iniciativa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), devido ao cenário atual da sociedade com isolamento social, em decorrência da pandemia do covid-19, os índices de violência contra a mulher aumentaram de forma espantosa.

Todos os dias, centenas de mulheres enfrentam a violência doméstica, uma triste realidade, dentro da “segurança de seus lares”. O CNJ e o AMB visando diminuir o índice de agressões apresentou a Campanha Sinal Vermelho, com a finalidade de ajudar mulheres a denunciar os seus agressores, utilizando um meio discreto e principalmente silencioso.

A denúncia, ocorre com um simples sinal de x na palma das mão, a vítima pode mostrar o sinal, nas principais farmácias de sua cidade, depois os dados serão colhidos para que medidas possam ser tomadas.  Os funcionários de farmácias passam por uma capacitação para saber lidar com a situação e imediatamente ligar para o 190.

Amapá

No Amapá, a Campanha Sinal Vermelho para a violência doméstica, foi aderida, e ganhará mais visibilidade a partir desta terça-feira, 30 de junho, pois ocorreu o Webnário local, promovido pelo Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), Ministério Público do Amapá, Frente Parlamentar Federal, Estadual e Municipal Pela Prevenção da Violência Contra a Mulher, Defensoria Pública do Amapá e Governo do Estado do Amapá. O Webnário foi transmitido por meio do Canal do Tjap, no you tube.

De acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o índice de feminicídio aumentou 22,2%, nos meses de março e abril, ou seja, no período de quarentena, devido a pandemia da covid-19. Os índices geram preocupações.

Segundo o vice- governador do Amapá, Jaime Nunes, a Campanha Sinal Vermelho, veio para mudar essa realidade,” é preciso ter compromisso, se colocar à disposição para que as pessoas possam se sentir seguras ao denunciar. O agressor precisar se sentir inibido em praticar a violência. Mas para a campanha ter um resultado efetivo, é necessária a união das entidades “.

Para a presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, Renata Gil, “é impressionante o trabalho de articulação com relação a divulgação, da campanha aqui no Amapá, é importante iniciar pelo extremo norte do país, fiquei feliz em ouvir sobre o fortalecimento da rede, no trabalho operacional, pois a nossa preocupação também é com a efetividade e facilitação da denúncia.” completou.

O Webnário local de Combate a Violência  Doméstica, em adesão a Campanha Sinal Vermelho, contou com a participação do vice-governador, Jaime Nunes, o desembargador-presidente do TJAP, João Lages,  Executivo, o corregedor-geral de Justiça e coordenador da Política de Enfrentamento da Violência Contra a Mulher no âmbito do Judiciário do Amapá, desembargador Carmo Antônio de Souza, a presidente da Frente Parlamentar da Mulher, deputada Cristina Almeida, o prefeito Clecio Luis, a juíza Elaine Cantuária, a Procuradora-Geral de Justiça, Ivana Cei, o Defensor-Geral, Diogo Grunho, a Deputada Federal Aline Gurgel, dentre outras autoridades.

Comentários no Facebook